Linhas de Pesquisa em Andamento

- Prof. Dr. Luis Cesar Paulillo

Pesquisa avaliação funcional de oleaginosas produzidas pela agricultura familiar para a produção de biocombustíveis. O cultivo de matérias-primas para a produção de biodiesel em grande escala é um importante instrumento de geração de renda no meio rural. Esta linha de pesquisa tem por objetivo avaliar o potencial agronômico das principais oleaginosas (dendê, coco, babaçu, girassol, canola, mamona, pinhão manso, gergelim) que possam promover a inclusão da agricultura familiar na cadeia produtiva do biodiesel, levando em consideração as especificidades de cada região brasileira. Além disso, também desenvolve projetos de pesquisa voltados para o estudo dos aspectos relativos ao desempenho humano e à promoção da saúde em seu sentido mais amplo, utilizando-se de estratégias e métodos para investigação funcional e biológica de plantas envolvidas na cadeia produtiva de biocombustíveis.

- Prof. Dr. Fabio Macêdo Nunes

Pesquisa a prospecção de microrganismos superprodutores de hidrogênio. As soluções devem ser focadas em alternativas que usem o mínimo de insumos, temperaturas mais baixas e reações enzimáticas. Em relação às demais fontes alternativas de energia que são insuficientes do ponto de vista global, o hidrogênio (H2) surge como uma alternativa viável. Atualmente, existem diversos métodos de produção de hidrogênio, através das três principais matérias primas utilizadas: combustíveis fósseis, H2O e biomassa. Nosso projeto de pesquisa na área de prospecção de microrganismos produtores de hidrogênio, conta com o apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB).

- Profª. Dra. Maise Silva Santana dos Santos

Os trabalhos de pesquisa que desenvolvo estão focados na interação planta-animal, a exemplo da relação entre abelhas coletoras de óleo floral e a plantas nativas produtoras de óleo. O óleo vegetal desempenha papel importante na biologia de grupos específicos de organismos. Também tenho interesse na análise da distribuição da riqueza e abundância de recursos vegetais e polinizadores em sistemas naturais, agroflorestais e ecologia de polinização de espécies vegetais, nativas ou utilizadas na produção de biocombustíveis. Em geral nossos estudos envolvem realização de experimentos de campo e testes em laboratório. A análise dos mecanismos envolvidos na interação entre as abelhas e plantas e os diferentes aspectos deve nos conduzir a descobertas de novos caminhos da sustentabilidade, associada ao desenvolvimento tecnológico.

- Prof. Dr. Thiago Bruce

Doutor em genética microbiana pela Universidade Federal do Rio de Janeiro com mestrado em Biotecnologia pela Universidade Federal de Santa Catarina e Bacharel em Microbiologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pesquisa bioprospecção de enzimas microbianas para produção de biocombustíveis. Lidera o Grupo de Biotecnologia Ambiental, que atua em linhas de pesquisas que têm como objetivo caracterizar e avaliar o potencial genético de comunidades microbianas associadas a amostras ambientais para a prospecção de enzimas relacionadas com a otimização da cadeia produtiva de biocombustíveis (bioetanol, biodiesel e biogás). Para isso, são aplicadas técnicas de cultivo tradicional, assim como abordagens moleculares (ômicas) de alto desempenho.

- Prof. MSc. Roberto Antônio Fortuna Carneiro

Pesquisa as questões regulatórias, de formulação de políticas públicas e a viabilidade econômica e financeira no setor de bioenergia.
Trabalha com análise dos modelos de organização da produção (arranjos produtivos locais, cadeias produtivas) de bioenergia e biocombustíveis, avaliando seus entraves, riscos e pontos positivos.
Atualmente o foco das análises é voltado para análise de viabilidade econômica e financeira relativa ao bioempreendedorismo e bioprodutos energéticos. Desenvolve também estudos sobre a importância da infraestrutura logística na consolidação das cadeias agroindustriais de bioenergia na Bahia. Para isso, avalia o papel das políticas públicas como agente de fomento, estruturação e regulação do setor de bioenergia no estado da Bahia.

- Prof. Dr. Alberto Freire

É doutor em Cultura e Sociedade (UFBA), mestre em Comunicação e Culturas Contemporâneas (UFBA), graduado em Comunicação (jornalismo), também pela mesma universidade. Em sua linha de pesquisa associa as políticas públicas ligadas à produção de bioenergia e seus impactos sociais na produção de insumos para o biodiesel e outros biocombustíveis. A trajetória de desenvolvimento da agricultura familiar na cadeia produtiva da bioenergia também pertence aos temas e projetos de interesse. A associação de fatores humanos, do campo social e cultural e seus impactos e transformações na pesquisa e produção de bioenergia estão no conjunto de temas ligados ao ensino, desenvolvimento e orientação de projetos de pesquisa.

- Profª Doutora Viviane Matos Galvão

Desenvolve e aplica técnicas computacionais que possam ser utilizadas na modelagem de sistemas complexos nos mais diversos campos, em especial em bioenergia e biocombustível. Nesta linha de pesquisa alguns projetos se destacam como: (i) compreensão da dinâmica da rede de colaboração científica formada por pesquisadores, instituições e/ou países que publicam trabalhos na área de bioenergia; (ii) análise da rede semântica de publicações na área de biocombustível e (iii) caracterização do perfil de cooperação das indústrias que produzem Biocombustível. O grupo de pesquisa liderado pela Profª Viviane busca compreender a dinâmica das redes de colaboração científica aplicadas a bioenergia. Suas pesquisas baseiam-se na Matemática computacional e nos sistemas dinâmicos seriais e paralelos por meio de simulações para alcançar os resultados.

- Prof. MSc. Fernando de Almeida Dultra

Formação em Engenharia Civil, Sanitária e Ambiental, com Mestrado em Gerenciamento do Processo Produtivo, com ênfase em Tecnologias Limpas, Especialização em Planejamento e Administração de Recursos Ambientais, todas pela UFBA.. Atua na pesquisa de geração de energia a partir de biogás proveniente de digestão anaeróbica de matéria orgânica, seja de efluentes líquidos, como esgotos sanitários e industriais, assim como de resíduos sólidos, de origem animal, de cozinha industrial, residencial, ou ainda a mistura deles. Pode-se utilizar tanto os biodigestores clássicos, quanto UASB, DAFA e outros digestores anaeróbicos. Importante pesquisar quais tipos de unidades se aplicam a cada caso, bem como seus rendimentos na geração de gás e energia. Os subprodutos dessa digestão anaeróbica inicial, também devem receber atenção no seu uso seguinte, assim como desenvolver dispositivos de fácil aplicabilidade e economia de energia.

- Profa. Dra. Tatiane de Lucena Lima

É Doutora e Mestre em Educação (UFBA); Especialista em Gestão de Instituições de Ensino Superior (FTC) e em Docência para o Ensino Superior (ABEC); Graduada em Pedagogia (UCSAL). Atua como pesquisadora na área da Educação Formal e Informal seja por meio de Universidades, Escolas, Cooperativas e ONGs, ao analisar possíveis estratégias educacionais para trabalhar com Meio Ambiente e Saúde, bem como agrega estudos relacionados à dimensão organizacional dessas instituições, relacionando-os ao contexto nacional e mundial da Bioenergia. As múltiplas interações entre os sujeitos, seus dispositivos socioeducativos e suas implicações e transformações na pesquisa e na produção do conhecimento da bioenergia compõe a nossa área de interesse ligada ao ensino, ao planejamento e ao desenvolvimento de pesquisas nesse campo.

- Prof. Dr. Marcos Lázaro da Silva Guerreiro

Bacharel em Genética pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2005) e em Direito (2010). Doutor em Patologia Humana UFBA/FIOCRUZ, 2014. Mestrado em Patologia Humana – UFBA/FIOCRUZ pelo Centro de Pesquisa Gonçalo Moniz / FIOCRUZ / UFBA (2007), e Especialista em Biologia Celular (2009) pela Universidade Estadual de Feira de Santana. Desenvolve pesquisas baseadas na saúde do trabalhador no campo da Bioenergia. Lidera o grupo de pesquisa em resposta imunológica e imunopatologia das doenças associadas às manifestações geradas pelos produtos e subprodutos associados à bioenergia e aos biocombustíveis. O grupo investiga a interação dos agentes químicos e biológicos em modelos experimentais e humanos (trabalhadores da cadeia produtiva dos biocombustíveis). Investigamos também os impactos ambientais e suas relações com patologias ambientais associadas à saúde do trabalhador.

- Profa. Dra. Astria Dias Ferrão Gonzales

Farmacêutica, com mestrado e doutorado na área de Bioquímica (UFRJ) e dois pós-doutorados (Bioquímica-UFRJ e Biologia Celular- Fiocruz-BA), professora do Mestrado Profissional em Bioenergia  desde 2007 e líder do grupo de pesquisa cadastrado no CNPq, o NIESA (Núcleo Interdisciplinar em Energia, Saúde e Ambiente), tem experiência nas áreas de Biotecnologia e Saúde. Atua na linha de pesquisa de Estudos de Biomassa para Produção de Biocombustíveis, com enfoque na biomassa regional baiana, uso, aproveitamento e valoração de biomassa residual, e na agricultura familiar envolvida nesse processo produtivo. Atua também nos Estudos de Saúde do Trabalhador, com enfoque na avaliação  da saúde nutricional, mental e física dos trabalhadores envolvidos nas atividades ligadas aos processos produtivos ligados à produção de biocombustíveis. De forma interdisciplinar, já orientou mestrandos de várias graduações neste Programa.

- Profª Drª Mabel Esteves

Bióloga, doutora em Química Biológica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pesquisa o impacto exercido por substâncias com potencial bioenergético sobre a saúde do trabalhador, a exemplo de algumas espécies oleaginosas e etanol, especialmente seu papel modulador imune e hematológico. Esta  linha de pesquisa desenvolvida visa a melhoria da saúde, bem como da qualidade de vida do trabalhador exposto às biomassas, visto que o aumento da produtividade do biodiesel e outros biocombustíveis implica em sobrecarga de trabalho.

- Prof. Dr. Jerisnaldo Matos Lopes

Doutorando em Desenvolvimento Regional e Urbano, Desenvolve pesquisas sobre Gestão e Empreendedorismo em Bionegócios, e suas relações entre os setores produtivos, o meio ambiente e bioenergia. Além disso, são desenvolvidos estudos de viabilidade para a aplicação e criação de produtos para a geração de energia a partir de biomassas. Analisa a importância econômica na produção ao avaliar os métodos e processos para aproveitamento eficiente de matérias primas e matérias de descarte (lixo, esgoto, etc.) em suas alternativas para a produção de bioenergia. Políticas de Desenvolvimento da Biotecnologia, e Política de Desenvolvimento Produtivo que traçam diretrizes e alavancam recursos para apoio à biotecnologia aplicada à saúde humana, à agricultura, à indústria e ao meio ambiente. Análise das estratégias de governança pública e políticas públicas aplicadas para o desenvolvimento do setor de bionegócios.

Os comentários estão encerrados.